Cometa gigante descoberto por brasileiro se aproxima do Sistema Solar

Esse é o maior e mais distante cometa descoberto nos tempos modernos depois de 6 anos de estudos da Nuvem de Oort.

O brasileiro Pedro Bernardinelli e Gary Bernstein, astrônomos da Universidade da Pensilvânia, EUA, confirmaram que o objeto que se aproxima do Sistema Solar é de fato um cometa.

Batizado de cometa Bernardinelli-Bernstein, seu tamanho é estimado em 100-200 quilômetros de diâmetro, ou cerca de 10 vezes o diâmetro da maioria dos cometas.

Este cometa é bem diferente de qualquer outro visto antes e a estimativa de tamanho enorme é baseada na quantidade de luz solar que ele reflete.

Os cometas são corpos gelados que evaporam à medida que se aproximam do calor do Sol, aumentando seu coma e cauda.

As imagens do objeto em 2014-2018 não mostravam uma cauda de cometa típica, mas um dia após o anúncio de sua descoberta por meio do Minor Planet Center, astrônomos, usando a rede do Observatório Las Cumbres obtiveram imagens recentes do cometa Bernardinelli-Bernstein, que revelou que cresceu em coma nos últimos 3 anos, tornando-se oficialmente um cometa.

Sua atual jornada interna começou a uma distância de mais de 40.000 unidades astronômicas (ua) do Sol, ou seja, 40.000 vezes mais longe do Sol do que a Terra está, ou 6 trilhões de quilômetros de distância.

Para efeito de comparação, Plutão está a 39 ua do Sol, em média. Isso significa que o cometa Bernardinelli-Bernstein se originou na Nuvem de objetos de Oort, ejetada durante o início da história do Sistema Solar.

Pode ser o maior membro da Nuvem de Oort já detectado, e é o primeiro cometa em um caminho de entrada a ser detectado tão longe.

O cometa Bernardinelli-Bernstein está atualmente muito mais perto do sol. Foi visto pela primeira vez em 2014 a uma distância de 29 ua (4 bilhões de quilômetros, aproximadamente a distância de Netuno), e em junho de 2021, era de 20 ua do Sol e atualmente brilha com magnitude 20.

A órbita do cometa é perpendicular ao plano do Sistema Solar e atingirá seu ponto mais próximo do Sol (conhecido como periélio ) em 2031, quando será por volta de 11 au de distância (um pouco mais do que a distância de Saturno do Sol) – mas não se aproximará.

Cometas da Nuvem de Oort

Apesar do tamanho do cometa, atualmente está previsto que os observadores do céu precisarão de um grande telescópio amador para vê-lo, mesmo em seu mais brilho.

O cometa Bernardinelli-Bernstein será seguido intensamente pela comunidade astronômica, inclusive com as instalações do NOIRLab, para entender a composição e origem desta enorme relíquia do nascimento de nosso próprio planeta.

Os astrônomos suspeitam que pode haver muitos mais cometas desse tamanho não descobertos esperando na Nuvem de Oort muito além de Plutão e do Cinturão de Kuiper.

Acredita-se que esses cometas gigantes foram espalhados para os confins do Sistema Solar pela migração de Júpiter, Saturno, Urano e Netuno no início de sua história.

Encontrar objetos enormes como o cometa Bernardinelli-Bernstein é crucial para nossa compreensão do início da história de nosso Sistema Solar e conexão com a migração inicial dos gigantes de gelo/gás.

Haverá a medição contínua do cometa Bernardinelli-Bernstein até seu periélio em 2031 e provavelmente encontrará muitos, muitos outros como ele permitindo aos astrônomos caracterizar objetos da Nuvem de Oort com muito mais detalhes.

Zooming on Comet Bernardinelli-Bernstein

Fonte: noirlab

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais lidas

Recentes