Planeta Terra está absorvendo mais calor do que há 14 anos

O estudo descobriu que no período entre 2005 e 2019 o desequilíbrio dobrou em comparação com os anos anteriores.

O planeta Terra está absorvendo duas vezes mais calor do que em 2005, de acordo com as descobertas de um novo estudo, que levanta preocupações sobre a possível aceleração da mudança climática.

Para o estudo, os pesquisadores analisaram dados do instrumento Nuvens e Sistema de Energia Radiante da Terra (CERES), que voa em vários satélites de observação da Terra da NASA e mede quanta energia o planeta absorve na forma de luz solar e quanto dela emite de volta para o espaço na forma de radiação infravermelha.

A diferença entre a energia que entra e sai é chamada de desequilíbrio de energia, e o estudo descobriu que no período entre 2005 e 2019 o desequilíbrio dobrou em comparação com os anos anteriores.

Os cientistas usaram dados adicionais de uma rede internacional de sensores robóticos distribuídos por todos os oceanos do mundo, chamado Argo, que medem a taxa de aquecimento dos oceanos.

Os pesquisadores disseram que comparar os dados do CERES com os de Argo ajudou a fortalecer as descobertas, já que os oceanos globais são conhecidos por absorver até 90% do excesso de energia aprisionado pelo planeta.

Loeb e sua equipe concluíram que o aumento do aquecimento é resultado de processos naturais e feitos pelo homem. Concentrações crescentes de gases de efeito estufa, como dióxido de carbono e metano, na atmosfera da Terra fazem com que mais calor seja capturado pelo planeta.

Enquanto isso, o tamanho está cada vez menor dos mantos de gelo, causado pelo aquecimento do planeta, que faz com que menos energia que entra seja refletida para longe da superfície do planeta.

Mas os pesquisadores descobriram que um padrão natural recorrente chamado Oscilação Decadal do Pacífico (PDO) também está contribuindo.

O ciclo PDO causa flutuações regulares na temperatura do Oceano Pacífico, com as partes ocidentais se tornando mais frias e as partes orientais aquecendo por dez anos, seguindo uma tendência oposta uma década depois.

Uma fase de PDO invulgarmente intensa que começou por volta de 2014 causou uma redução na formação de nuvens acima do oceano, o que também resultou no aumento da absorção da energia que chega pelo planeta, disseram os cientistas.

Embora o estudo capture apenas um curto período de tempo, a taxa de absorção de calor sugere que o clima da Terra está ainda mais desequilibrado do que se pensava anteriormente e que efeitos piores podem ser esperados (incluindo temperatura mais acentuada e aumento do nível do mar) a menos que a tendência seja revertida.

Fonte: livescience

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais lidas

Recentes