Telescópio Kepler identificou grupo misterioso de planetas errantes

Os dados obtidos da já aposentada sonda Kepler, serão importantes para as próximas missões do novo telescópio da NASA.

Durante uma missão de dois meses, o Telescópio Kepler monitorou um campo lotado de milhões de estrelas perto do centro de nossa galáxia, descobrindo uma população misteriosa de planetas interestelares, planetas que podem estar sozinhos no espaço profundo, não ligados a qualquer estrela hospedeira.

Os resultados incluem quatro novas descobertas que são consistentes com planetas de massas semelhantes à da Terra.

O estudo foi de dados obtidos em 2016 durante a fase de missão K2 da NASA do telescópio espacial Kepler, já que em 30 de outubro de 2018, foi anunciado o término da missão de 9 anos e meio da sonda Kepler.

Desse modo, a equipe de estudo encontrou 27 sinais de microlente candidatos de curta duração que variaram em escalas de tempo entre uma hora e 10 dias.

Muitos deles haviam sido vistos anteriormente em dados obtidos simultaneamente no solo. No entanto, os quatro eventos mais curtos são novas descobertas que são consistentes com planetas de massas semelhantes à Terra.

Esses novos eventos não mostram um sinal mais longo que pode ser esperado de uma estrela hospedeira, sugerindo que esses novos eventos podem ser planetas flutuando livremente.

Esses planetas podem ter se formado originalmente em torno de uma estrela hospedeira antes de serem ejetados pelo puxão gravitacional de outros planetas mais pesados ​​do sistema.

Prevista por Albert Einstein 85 anos atrás como consequência de sua Teoria da Relatividade Geral, a microlente descreve como a luz de uma estrela de fundo pode ser temporariamente ampliada pela presença de outras estrelas no primeiro plano. Isso produz uma pequena explosão de brilho que pode durar de horas a alguns dias.

O Kepler não foi projetado para encontrar planetas usando microlentes, nem para estudar os campos estelares extremamente densos do interior da Galáxia. Isso significa que novas técnicas de redução de dados tiveram que ser desenvolvidas para procurar sinais dentro do conjunto de dados do Kepler.

Confirmar a existência e a natureza dos planetas de flutuação livre será um foco importante para as próximas missões, como o Telescópio Espacial Nancy Grace Roman da NASA e, possivelmente, a missão ESA Euclid, ambas otimizadas para procurar sinais de microlente.

Fonte: ras

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais lidas

Recentes