Grande Mancha Vermelha de Júpiter é mais profunda do que se achava

A Grande Mancha Vermelha é a tempestade mais famosa do nosso sistema solar. Ela foi observada pela primeira vez em 1831 pelo astrônomo amador Samuel Heinrich Schwabe.

Essa tempestade gigantesca que tem cerca de duas vezes a largura da Terra, circula o planeta em seu hemisfério sul.

No centro da tempestade, os ventos são relativamente calmos, mas em suas bordas as velocidades do vento chegam a 430-680 km / h. Isso é mais do que o dobro da velocidade até mesmo dos furacões mais fortes da Terra, que podem gerar ventos de até 281 km / h.

A longevidade da Grande Mancha Vermelha é em partes explicada pelo fato de que Júpiter não tem uma superfície sólida.

O “céu” de Júpiter tem 70 km de profundidade e consiste em camadas de nuvens feitas de gelo de amônia, hidrossulfeto de amônio ou gelo de água e vapor.

Os cientistas acreditam que sob essas camadas existe um oceano de hidrogênio líquido. E abaixo desse oceano está o núcleo do planeta, mas os cientistas ainda não têm certeza do que Júpiter é feito.

Na Terra, os furacões começam a desacelerar e se fragmentar quando atingem terra firme, mas sem nenhum lugar para a Grande Mancha Vermelha aterrissar, a tempestade pode continuar.

Dados da espaçonave Juno

Difícil imaginar a escala total da Grande Mancha Vermelha de Júpiter daqui da Terra, porque a tempestade é tão grande que poderia engolir nosso planeta.

Agora, ao que parece, a Grande Mancha Vermelha não é apenas larga: é profunda também, um pouco mais profunda do que se esperava.

Dados da espaçonave Juno da NASA mostraram que a gigantesca tempestade se estende até 500 quilômetros abaixo do topo das nuvens de Júpiter.

Os pesquisadores detectaram flutuações no campo gravitacional de Júpiter, o suficiente para controlar a profundidade da tempestade: 500 km, mais alta do que a distância do nível do mar até a Estação Espacial Internacional.

E a grande tempestade parece ser alimentada por jatos que vão muito mais fundo – até 3.000 km.

Ao mesmo tempo, houve um estudo do Radiômetro de Microondas da Juno, um instrumento que sonda a atmosfera do planeta com microondas.

Descobriu-se que o Spot, junto com várias outras tempestades em Júpiter, se estende bem para baixo, com precipitação e correntes de ar em profundidades sem precedentes.

Eles encontraram assinaturas desses fenômenos abaixo do nível de nuvem de Júpiter, abaixo do qual se espera que a amônia e a água na atmosfera se condensem.

Juntas, as medições de gravidade e microondas sugerem que a alta atmosfera de Júpiter está significativamente conectada a essas profundezas.

Fonte: space

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais lidas

Recentes