Ômicron pode ser a variante do covid-19 mais infecciosa

Os casos diários de contágios da COVID-19 na África do Sul haviam despencado, incluindo com a variante delta.

Porém, uma explosão repentina de casos apareceu entre estudantes universitários da cidade de Pretória. Os cientistas pensaram que a variante delta provavelmente estava causando o pico.

Mas, para ter certeza, eles decidiram sequenciar o genoma do vírus de um dos casos. Contudo não era a delta.

“De repente, surgiu essa criatura com todas essas mutações – e quero dizer muitas mutações”, disse o Dr. Jeremy Luban, virologista da Escola de Medicina da Universidade de Massachusetts.

Conhecida como ômicron, a nova variante colocou o planeta em alerta. Desde 24 de novembro, quando a variante foi relatada pela primeira vez à Organização Mundial da Saúde, as autoridades de saúde detectaram o ômicron em mais de uma dúzia de países em pelo menos cinco continentes. A variante apresenta um risco “muito alto”, disse a OMS.

Até agora, os cientistas têm informações limitadas sobre o ômicron. Mas várias bandeiras vermelhas sugerem que essa cepa do coronavírus pode causar surtos rapidamente em muitas partes do mundo e pode ser a mais contagiosa conhecida.

A variante ômicron parece ser mais perigosa que a delta


Nas últimas duas semanas, o ômicron se espalhou por pelo menos sete das nove províncias da África do Sul, superando rapidamente o surto do país e, assim, ao que parece, superando o delta, diz o virologista Pei-Yong Shi, do Departamento Médico da Universidade do Texas em Galveston.

“Com base nos dados epidemiológicos, parece que a nova variante tem vantagens na transmissão em relação às variantes anteriores”, disse Shi.

Até agora, o delta é a variante mais contagiosa conhecida. Em cerca de nove meses, ele varreu todos os continentes, exceto a Antártica, empurrando outras variantes e causando enormes surtos de casos.

Se o ômicron for mais transmissível, isso seria bastante notável, diz Luban da Universidade de Massachusetts.

“Todo mundo tem medo de que o ômicron seja significativamente mais transmissível do que o delta. À primeira vista, parece que sim”, diz ele. “Mas isso pode estar totalmente errado. No momento, ninguém sabe. O problema é que nossos dados são muito limitados.”

No momento, os únicos dados que os cientistas têm para estimar a transmissibilidade do ômicron vêm em grande parte do agrupamento de casos em uma universidade em Pretória. O rápido aumento de casos pode ser devido, em parte, a um evento de superespalhamento.

No entanto, algumas mutações específicas no ômicron sugerem que será bastante transmissível, diz Luban.

As mutações do ômicron podem ajudá-lo a escapar do sistema imunológico
Além disso, a OMS afirma que há evidências preliminares de que o ômicron aumenta o risco de reinfecções. Portanto, as pessoas que já tinham COVID-19 podem ser mais vulneráveis ​​a uma segunda infecção.

Omicron carrega muitas mutações que provavelmente ajudam a variante a escapar do sistema imunológico, diz o virologista Paul Bieniasz da Universidade Rockefeller em Nova York. Algumas dessas mutações existem em outras variantes, mas não todas juntas em uma única. Portanto, Bieniasz e seus colegas já realizaram pesquisas de laboratório sobre as principais mutações que aparecem no ômicron e descobriram que elas podem ajudar a prevenir que os anticorpos matem o vírus.

“Com base nisso, esperamos que o ômicron seja significativamente resistente aos anticorpos que estão circulando em indivíduos convalescentes ou que receberam vacinas de mRNA”, diz Bieniasz, referindo-se à tecnologia usada pelas vacinas Pfizer e Moderna COVID-19.

Fonte: npr

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais lidas

Recentes